Bárbara Cavalcante

TENHO UMA FILHA COM SÍNDROME DE DOWN QUE É O MAIOR E MELHOR PRESENTE QUE DEUS ME DEU

Barbara e Barbara FranciellBárbara Francielle hoje está com vinte anos, concluiu o ensino médio em 2014, está estagiando na biblioteca do Sesi.
Desde o seu nascimento, o único sofrimento que tive com ela, foi o medo de perdê-la quando foi submetida à cirurgia cardíaca aos 5 meses de vida.
Lá no hospital, depois dessa cirurgia, por muitas vezes os médicos comunicaram que não podia fazer mais nada, que estava nas mãos de Deus. E ouvir essas palavras me tirara o chão, e prometi a meu Deus que não me tirasse o amor da minha vida, minha luz, que se permitisse que ela sobrevivesse, iria fazer de tudo para que fosse sempre muito feliz, mesmo que custasse a minha própria felicidade.
E como nosso Senhor nunca nos desampara, depois de 30 dias entre pioras e melhoras, ele me deu a maior vitória de minha vida, minha filha de volta aos meus braços.
Vinte anos se passaram e continuo fazendo o que prometi, proporcionar a felicidade de minha Barbie, e por ser um dos sonhos dela ter uma graduação, que no inicio era Ed. Física e hoje Biblioteconomia ou Dança, a inscrevi no Enem.
Na inscrição entre outros dados que preenchi, tinha a questão do tipo de deficiência, que coloquei intelectual, se necessitava de auxiliar para leitura, coloquei que sim, pois mesmo ela lendo muito bem, poderia surgir alguma duvida. Se precisava de uma para transcrição, coloquei que sim também, para auxiliar no preenchimento do cartão de resposta, se ela precisasse. E concluir a inscrição.
Algumas semanas depois, me ligaram do Enem, perguntando qual tipo de deficiência, e se precisava dos auxiliares. Expliquei que ela tem Síndrome de Down e o porquê da necessidade de cada um.
O dia tão esperado chegou, e lá tinha uma sala com o nome dela na porta, 2 Psicopedagogas para acompanhar, tudo como foi oferecido.
Foram dois dias, mesmo ela tendo direito há um tempo maior para fazer as provas, não foi necessário usar esse tempo.  Agora só restava esperar o grande dia do resultado.
Foram longos dias de espera, de ansiedade dela e de todos nós. E enfim chegou dia 08, e a primeira coisa foi tentar ver o resultado, sem sucesso e isso se estendeu por todo dia. Só à noite a tia dela conseguiu visualizar e me passar uma foto da página do resultado, disse que não estava entendendo, que tinha tirado boas notas nas provas e a redação não tinha nada, só um (-), e que logo a baixo, mostrava o motivo, que foi texto insuficiente.
Como tínhamos saído com ela, quis deixar para falar sobre o assunto em casa, pois não sabia como ia falar sobre o inesperado e não queria estragar nossa noite, pois ela estava radiante de felicidade.
Agora pergunto, texto insuficiente em qual sentido? Qual critério usado para avaliação? A redação foi avaliada igualmente para as pessoas que não tem deficiência?
Quando visualizei a área do aluno no dia 14, pude ver que onde estava sem nota, já tinham colocado 0,0, e mais uma vez guardei a imagem para mostrar que nem eles têm segurança no que colocar como nota de redação da minha filha.
Com a nota da redação zerada, o aluno já fica automaticamente desclassificado, e nessa condição, fica impedido até de acessar a área para colocar opção de curso da Sisu.

Pensei que só tinha acontecido com minha filha, mas vi reportagens de outras mães relatando o mesmo acontecido com seus filhos especiais.
Que tipo de inclusão é esse que tira o direito das pessoas com deficiência ingressarem numa faculdade federal.
Até quando inclusão só ficará no papel, como fachada?
Queria muito perguntar a esses avaliadores de redação:
-“E se fosse seu filho com deficiência, como seria a sua avaliação da redação, será que seria avaliado juntamente, aos outros com ou sem deficiência”?
E se fosse seu filho, o que iria fazer?
Estou tentando de todas as maneiras legais, proporcionar uma avaliação justa.
Denunciei ao Ministério Público Federal
Fui a Defensoria Publica da União, mas lá, como é estadual, não se faz na hora, foi marcado para próxima quarta feira, levar um monte de documentação, até parece que já vamos para audiência, mas como no Brasil, muitos tentam complicar, na quarta iremos tentar fazer mais uma denuncia. E mais uma vez coloco essa causa nas mãos de Deus, pois é o Juiz dos Juízes.

Não consigo parar de pensar em algumas perguntas feitas por minha Barbie, em especial essa:
-“Mãe, só quero saber uma coisa, eu passei ou não passei?”
E isso me faz chorar toda vez que falo no assunto, ou lembro. E na hora fiquei sem saber o que falar, mas depois disse:
“Você passou sim meu amor, tirou ótimas notas em todas as matérias, só que não deram nota na sua redação, pois não colocaram pessoas capacitadas para fazer essa avaliação individualmente, mas no que eu puder fazer, para pedir que a reavaliação seja feita por uma pessoa que seja capacitada, que trabalhe com pessoas com deficiência intelectual, irei fazer e saiba que és e sempre será o MAIOR ORGULHO DA MINHA VIDA”.

Peço que vejam um video que gravei no cel, e conheçam um pouco o quanto especial é minha Barbie.

5 Responses to Bárbara Cavalcante

  1. Patrícia says:

    Lindo Bárbara, só nós mães especiais sabemos o que passamos por nosso país não está pronto para inclusão, é muito bonito no papel e no falar que a escola ou a instituição é inclusiva mas de fato e de direito falta muitooooo. Meu filho tem apenas 9 anos , a luta é grande, mas não com ele e sim com a sociedade para que tenha direitos igualitários e vamos permanecer lutando p que um dia tudo isso seja superado.Um beijo no coração.

    • Bárbara Cavalcante says:

      Verdade Patrícia Says, um dia iremos ter uma inclusão verdadeira, onde nossos filhos terão direito de realizar seus sonhos e serem felizes. Deus abençoe

  2. Fabiola Cardoso says:

    Parabéns é isso aí desistir jamais. Deus é justo e vai sempre acompanhar nossos filhos, eu creio, é Ele que julga todas as causas. Um grande abraço pra vcs. A minha pequena está com 11 anos ainda não aprendeu a ler mas estou lutando ela ama livros, biblioteca e cinema.

    • Bárbara Cavalcante says:

      Obrigada Fabíola. Busco a força da fé que tenho em Deus e no amor pela minha filha. Vá em busca de algum lugar para alfabetizar sua filha, lute por ela sempre, proporcione tudo que a leve para realização e não se assuste quando perceber que a pessoa mais feliz por isso, será você. Deus abençoe vocês.

  3. Bárbara Cavalcante says:

    Obrigada Patrícia, essa luta é nossa. Estou buscando o direito da Barbara Francielle, do Pedro, Do Antônio, da Joana, da Bruna, de nossos filhos, porque a vitória de hoje, pode ser um direito respeitado sem precisarmos nos desgastar tanto.
    Deus Abençoe você e toda sua família.

Deixe uma resposta para Patrícia Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prove que não é um robô *

Em seu Art. 3º afirma que o autista tem direito ao acesso à educação e ao ensino profissionalizante. Depois, em parágrafo único, a mesma lei afirma que “Em casos de comprovada necessidade, a pessoa com transtorno do espectro autista incluída nas classes comuns de ensino regular, nos termos do inciso IV do art. 2º, terá direito a acompanhante especializado.”. Aqui está outro grande alívio para nós, profissionais, que temos lutado por acompanhante especializado de escola em escola e que já ouvimos tantos “nãos” e tantos estranhamentos frente a este pedido. O acompanhante especializado é direito do autista e é fundamental para que ele se adapte ao meio escolar e consiga aproveitar ao máximo as estimulações deste contexto.

Inclusão de autistas, um direito que agora é lei

Nas últimas semanas, um tema não muito frequente tem tomado as manchetes de jornais e [...]

Sindorme-2

Síndrome de Dawn

A síndrome de Down é causada pela presença de três cromossomos 21 em todas ou na maior [...]

sindrome-de-down

Síndrome de Down: o preconceito é a maior barreira

A gravidez traz muitas expectativas e surpresas para os pais. A ultrassonografia que mostra o [...]

sindrome-mobius

Você já ouviu falar da Síndrome de Moebius?

Quantas vezes você já sorriu hoje? Vale tudo: desde a risada amarela para cumprimentar [...]

Síndrome-de-Williams-6-1024x681

Como lidar com a Síndrome de Williams na escola?

A sociabilidade não é um problema para crianças com Síndrome de Williams. Mas é preciso [...]

Em seu Art. 3º afirma que o autista tem direito ao acesso à educação e ao ensino profissionalizante. Depois, em parágrafo único, a mesma lei afirma que “Em casos de comprovada necessidade, a pessoa com transtorno do espectro autista incluída nas classes comuns de ensino regular, nos termos do inciso IV do art. 2º, terá direito a acompanhante especializado.”. Aqui está outro grande alívio para nós, profissionais, que temos lutado por acompanhante especializado de escola em escola e que já ouvimos tantos “nãos” e tantos estranhamentos frente a este pedido. O acompanhante especializado é direito do autista e é fundamental para que ele se adapte ao meio escolar e consiga aproveitar ao máximo as estimulações deste contexto.

Inclusão de autistas, um direito que agora é lei

Nas últimas semanas, um tema não muito frequente tem tomado as manchetes de jornais e [...]

Sindorme-2

Síndrome de Dawn

A síndrome de Down é causada pela presença de três cromossomos 21 em todas ou na maior [...]

sindrome-de-down

Síndrome de Down: o preconceito é a maior barreira

A gravidez traz muitas expectativas e surpresas para os pais. A ultrassonografia que mostra o [...]

sindrome-mobius

Você já ouviu falar da Síndrome de Moebius?

Quantas vezes você já sorriu hoje? Vale tudo: desde a risada amarela para cumprimentar [...]

Síndrome-de-Williams-6-1024x681

Como lidar com a Síndrome de Williams na escola?

A sociabilidade não é um problema para crianças com Síndrome de Williams. Mas é preciso [...]

FACEBOOK